Em Foco‎ > ‎Opinião‎ > ‎

Opinião Arquivo

Direitos e deveres na escola

postado em 22 de set de 2014 08:20 por Assers Digital

Raul Gomes de Oliveira Filho
Por Raul Gomes de Oliveira Filho   

O mês de agosto vai ficar marcado por discussões sobre os direitos e deveres na escola. O Conselho Estadual de Educação – CEEd apresentou uma proposta de Parecer Normativo que em nada contribui para a afirmação de uma cultura de garantia do direito à educação escolar da criança ou do adolescente, uma vez que a solução mágica do “é proibido proibir”, apenas fragiliza e aumenta a falta de legitimidade da escola pública e privada em tomar providências quando esgotadas todas as alternativas de solução o comportamento de um aluno, ou de um grupo de alunos, prejudica o ambiente escolar de todos os demais.

Ou seja, no lugar de simplesmente tratar como “medidas punitivas” as ações disciplinares de suspensão ou transferência compulsória/dirigida/assistida de aluno, previstas no regimento escolar, (construídas em consonância ao Parecer nº 820/2009 que “Responde consulta sobre a inserção de normas de convivência nos Regimentos Escolares das escolas de Educação Básica integrantes do Sistema Estadual de Ensino” e Resolução nº 305/2009 que “Estabelece procedimentos para inserção de normas de convivência nos Regimentos Escolares das instituições de ensino integrantes do Sistema Estadual de Ensino”, atos exarados pelo próprio CEEd), estranhamente ignoram que as mesmas, também, possuem caráter educativo.

Ora, todos os mecanismos legais garantidores do direito ao acesso e permanência na escola (Constituição Federal, Estatuto da Criança e do Adolescente e Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Nacional), não podem ser usados para oferecer direitos maiores a alguns, em detrimento da maioria dos alunos.

Salvo melhor juízo, parece que os males de outros setores, cada vez mais estão se propagando e agora querem se instalar institucionalmente na escola, maior e mais necessária instituição para a vida e existência da sociedade, impedindo que as mesmas tratem, legitimamente, sobre limites no ambiente educacional.

Cabe ao CEEd no uso de suas atribuições e competências, antes de propor novos atos que tratem de normas de convivência, reafirmar o que já normatizou sobre o referido assunto, bem como intensificar a fiscalização das escolas, em especial as públicas, cobrando as condições físicas e os recursos humanos, tão necessários à qualidade do ensino.

Oxalá a retirada de pauta do polêmico parecer, possibilite ao Conselho, órgão de estado, com mais de 50 anos de relevantes serviços prestados ao ensino, agora sabedor das repercussões negativas junto à comunidade escolar e da sociedade gaúcha como um todo, rever sua posição.

Por onde andará o segmento dos pais? Não é momento de silenciar.

Raul Gomes de Oliveira Filho,
Ex-Presidente da Federação das Associações e Círculos de Pais e Mestres do RS

Redes, estádios e ruas

postado em 11 de jun de 2014 09:48 por Assers Digital   [ 11 de jun de 2014 11:18 atualizado‎(s)‎ ]

Por Nei Alberto Pies  

Filhos e filhas do Brasil não fogem à luta e torcem pelo Brasil. A Copa do Mundo de 2014 é um evento festivo e esportivo onde será jogada a cidadania, o amor à pátria e um dos mais queridos e praticados esportes em todos os recantos de nosso país.

Concordo com a tese de muitos de que o futebol pode servir como forma de alienação do povo brasileiro, mas não é o evento da Copa que nos tornará alienantes ou alienados neste país. Critiquemos, pois, a forma com que o futebol vem sendo conduzido nos últimos anos no Brasil e no mundo.

Os brasileiros, no futebol, nas redes e nas ruas, descobrem-se novos sujeitos, capazes de reinventar a história e os destinos de seu país. Os estádios e as ruas sempre foram, essencialmente, espaços de construção de identidade, de cultivo de bons valores humanos e espaço para viver e experimentar os melhores relacionamentos. Os brasileiros reinventaram-se pelas redes sociais. Os jovens encontraram uma forma legal, rápida e eficaz de comunicar os seus anseios e necessidades mais imediatas e concretas. E fizeram das ruas o lugar, por excelência, de sua verbalização. Que coisa bem boa e bem feita!

O futebol brasileiro reflete as nossas diferenças, as nossas potencialidades, os nossos talentos, a nossa criatividade. O futebol é um dos espetáculos brasileiros que representam muito do nosso povo, de sua postura e de sua vontade de vencer e apresentar-se ao mundo. O esporte é o lugar da superação, da disciplina, da projeção pessoal e coletiva, do descortinar das possibilidades.

O Brasil sairá renovado desta Copa, independente dos resultados que forem alcançados por sua Seleção. Os brasileiros estão fazendo novas e importantes interpretações dos seus modos de ser, pensar e agir. O povo brasileiro acordou e permanecerá em vigilância pelas práticas decentes que nos farão superar a endêmica corrupção que corrói a política brasileira. O Brasil aprendeu também que não pode criminalizar quem luta de forma pacífica por mais cidadania, democracia e direitos humanos no Brasil, a partir das ruas.

Se o Brasil redescobre o poder das ruas, redescobre também o poder que tem o esporte e o futebol. Redes sociais, ruas e futebol devem ser lugares democráticos para a gente avançar a partir dos ideais e das práticas democráticas da maioria dos brasileiros.

Viva o povo brasileiro e a sua fibra de seguir vencendo!

Nei Alberto Pies, professor e ativista de direitos humanos.

Formação dos Professores

postado em 6 de jun de 2014 11:04 por Assers Digital

Por Valderez Caldas de Castro Mello  

Precisamos estar atentos(as), para verificarmos como vão ficar as questões relacionadas à Formação dos Professores, dos anos inicias, evitarmos que se desestruture a Educação Infantil, com o sucateamento, de menos um ano e ainda como vai ser Estruturado o Currículo da Pedagogia, e como vai ser Estruturado o Currículo do Ensino Médio, nos moldes do Magistério ou Escola Normal, para que possamos melhorar o Ensino de um modo Geral e a Formação Integral dos Seres Humanos.

Como, cada vez mais, os Cursos de Magistério estão sendo extintos, precisamos de melhores Cursos Médios e de melhores Cursos de Pedagogia, com Metodologia da Língua brasileira, Artes (Códigos e Linguagens e suas tecnologias), da Matemática, da Ciência ( Ciências da Matemática, Natureza e suas tecnologias), dos Estudos Sociais, (História e Geografia), (Ciências dos Estudos Sociais e suas Tecnologias).

Precisamos das Aulas de Didática e de Práticas de Ensino e de Estágios e de Estágios Supervisionados.

Precisamos de Aulas de Estrutura do Ensino.

Precisamos de Aulas de Teorias da Educação.

Precisamos de Aulas de Educação Comparada.

Precisamos das Aulas de Psicologia Infantil.

Educação não se faz com empirismo e nem com teorias que dificultam ou confundam as Práticas Educativas.

Se ensinar o nome das letras ensinasse a ler e escrever e interpretar, não teríamos “Analfabetos.”

Este é o “método”que vem sendo usado, o mais ineficiente, o menos eficaz, o mais sem graça, o mais sem nexo, que dispensa análise, observação, transferência de aprendizagem, que traz dificuldades para se formar, sílabas e palavras e especialmente as frases, que não tem nada de construtivista, nada de histórico, sócio, interacionista, que culmina com o agravamento de análises, infundadas, de pré silábico, silábico etc. ainda mais agravado com a escrita em caixa alta, que impede a visualização das diferentes formas das palavras, orientação espacial e transferência para a letra manuscrita.

A Criança começa a balbuciar sílabas…..ma…ma…pa…pa…dá..dá…
Só ler histórias para as crianças, não basta, para ela aprender a ler, mas vai fazer com que ela goste de livros, segundo a sua faixa etária.

* Primeiro tem que ser a história contada em capítulos, as frases da história, as palavras tema, a análise das palavras tema, o trabalho com as sílabas iniciais, das palavras tema, o trabalho com as sílabas finais das palavras tema, e depois o trabalho com as sílabas do meio das palavras tema.

* Segundo, formar palavras novas, com estas sílabas conhecidas e montar frases novas, e aí sim a criança estará apta para trabalhar com gêneros e já estará apta a escrever com letra de mão, que já deve estar sendo orientada, desde as primeiras palavras tema. (exercícios motores com canto)(No ar, na lousa, no caderno)…etc

Temos que ter boas Cartilhas ou seja o "livro específico" que ensina a ler e escrever.

O que mais se nota, neste século, são teorias da educação, completamente desarticuladas das Práticas Educativas, que estão dificultando, a aprendizagem das Crianças e o desempenho dos Professores, e o que é pior estão sendo impostas, e não são nada significativas, especialmente, em relação ao aprendizado da leitura, escrita e interpretação do que se lê e portanto com graves consequências para a aprendizagem das demais disciplinas.

O Professor formado em letras ( Língua Brasileira), não é o professor indicado para ensinar, em séries iniciais, a Metodologia da Língua brasileira.

Este é um ponto, da inversão de Valores que está prejudicando o ensino aprendizagem nas séries iniciais.

Este meu Parecer merece atenção, alerta, discussão, postura e tomada de iniciativa para se mudar, o que não está dando certo, para podermos estabelecer padrões de Ensino mais eficazes e eficientes, que beneficiem Educadores e Educandos e Pais e que tornem o ambiente da Escola, acolhedor, harmonioso e progressista.

Valderez Caldas de Castro Mello
Supervisora Pedagógica Escolar
Santa Catarina

O desmonte e o mal estar da Educação no Brasil

postado em 6 de jun de 2014 11:01 por Assers Digital

Por Valderez Caldas de Castro Mello  

Prezados Educadores,

É preciso que se preserve, com urgência, a Estrutura da Educação Brasileira.

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira 9394/96 deixa bem clara esta Estrutura, que deveria sofrer apenas pequenas alterações, fundamentais e a interpretação correta do que a lei propõe.

Os dois fatores relevantes, que contribuíram para o desmonte e o mal estar da Educação no Brasil foram:

1º. A lei dizia que todos os Professores, de séries ou anos inicias, deveriam ser formados em Pedagogia

Assim sendo, imediatamente, foram extinguindo os Cursos de Magistério ou Normal e os Centros Específicos de Formação e Aperfeiçoamento do Magistério, sem primeiro estruturar os Cursos de Pedagogia, de aumentá-los e de estendê-los aos outros Estados do Brasil.

Temos milhares de crianças de 0 a 10 anos, no Brasil, que nem sequer são registradas no nosso País, segundo a entrevista que exigiu explicações da Ministra Ideli Salvati, dos Direitos Humanos, no Programa das entrevistas com os Ministros, cuja explicação, foi de que o Cartório iria nas Maternidades e Escolas. Que Maternidades e que Escolas no norte e nordeste do País?

No Estado de São Paulo, por volta de 2004, extinguiram-se, cinquenta e nove C.E.F.A.Ms e na época, os representantes dos C.E.F.A.M.s, Diretores, Supervisores, Coordenadores, Professores e alunos, fretaram ônibus, vieram para a Praça da República, acamparam em frente da Secretária da Educação, na antiga Escola Caetano de Campos, para impedir que estes Centros fossem fechados e fizeram o “ enterro do Chalita,”que nem sequer apareceu para recebê-los. As pessoas foram para a frente da Catedral da Sé, rezavam, cantavam o Hino Nacional Brasileiro, com a mão no peito, pedindo que não fechassem estes Centros.

Em Santa Catarina, o Instituto de Educação manteve um Magistério de dois anos de Curso, cujos alunos, vinham de dois anos de Ensino médio regular, sem base nenhuma, para serem formados como Professores, nestes dois anos. Os antigos Magistérios eram de quatro anos e proporcionavam excelente Formação em Metodologia, Didática e demais disciplinas indispensáveis à Formação de Professores das séries iniciais.

Assim sendo, o Ensino Médio Regular, tem que ser Estruturado de maneira a beneficiar futuros Educadores Pais e Professores para que possam concluir sua Formação nos Cursos de Pedagogia.

Os Cursos de Pedagogia devem contemplar ensinamentos para a Formação dos Professores de 1o e 2o grau de Ensino, Habilitações diversas e Especializações em Supervisão Pedagógica Escolar, Orientação Educacional e Administração Escolar. ( Cada função com sua especificidade)

Além desses Profissionais as Escolas vão necessitar de Auxiliares dos Professores, Professores para Reforço Escolar, Nutricionistas e Cozinheiras (Merendeiras) (horta orgânica), Assistentes Sociais, Psicólogos, Dentistas, Oculistas, Médicos e enfermeiros, Inspetores ou Vigilantes de alunos.

Os alunos da Pedagogia saiam do Curso e depois de Formados vinham estudar no Instituto de Educação porque a Pedagogia deixava a desejar no que se refere às Metodologias e Didática.

Outro fator, agravante, é que não existem cursos, suficientes de Pedagogia e bons e nem todas as pessoas podem cursar uma Pedagogia e aqueles alunos do Ensino do Magistério, em nível médio, de quatro anos, que poderiam se profissionalizar, mais cedo, não têm oportunidade de fazê-lo, pela falta dos Cursos, ocasionando um déficit de Formação de Professores das séries ou anos iniciais.

Outra agressão foi a de acabar com as boas Cartilhas (festa da entrega da Cartilha) (festa da entrega do Primeiro Livro) e primeiros livros, porque hoje em dia as crianças chegam ao nono ano, sem ler, escrever e interpretar direito, com prejuízo para todas as outras disciplinas e situações de vida.

Faz-se necessário retomar o estudo da gramática e dos treinos ortográficos, letras de forma maiúsculas e minúsculas, letra manuscrita, correção das redações, ditado mudo, ditado oral, auto ditado…

As pessoas que criticaram essas práticas, são responsáveis pela má qualidade do Ensino da Língua Brasileira. (Brasileira e não Portuguesa) ( já nos libertamos de Portugal…)

Fica claro, que as mudanças feitas, só serviram para prejudicar a Educação, inclusive para Valores e para o Despertar dos Talentos;

2º. A Progressão Continuada, prevista na lei, foi deturpada para Promoção Automática

Precisamos deixar claro que precisa haver uma Formação em Educação e uma Formação em Práticas Metodológicas e Didática, de Qualidade para Todos os Profissionais da Educação e uma Educação de Qualidade para todos os alunos, independentemente, de classes sociais, que contemple, primorosamente, a Educação Integral ou seja uma Educação que contemple as Inteligências Múltiplas de Howard Gardner, As Inteligências Coletivas de Pierre Levy, As Inteligências Emocionais de Goleman.

Precisamos deixar claro, também, que a Educação precisa ser específica para cada faixa etária, respeitando-se suas especificidades e necessidades.

Portanto, os Professores e demais Profissionais da Educação, precisam estar preparados, para trabalhar na faixa etária que vão atuar, contemplando-se a Educação Infantil de 0 a 6 anos, (com suas especificidades), e o Referencial da Educação Infantil em três volumes) , a Educação Fundamental 1 e 2 , (com suas especificidades ), a Educação dos jovens (com suas especificidades) e a Educação dos adultos (com suas especificidades), Os Parâmetro Curriculares Nacionais e os Temas Transversais ou conforme, especifica Rudolf Steiner em Pedagogia Waldorf, em seus setênios.

Precisamos nos unir, para podermos elaborar um Documento que seja do Consenso de Todos os Educadores, formados nas Universidades, em Escolas de Magistério, Associações, Sindicatos e demais Instituições de Ensino.
O problema da Educação Brasileira é gravíssimo!!!!!

Com a falta de Formação dos Educadores, com a falta de Professores, com a pouca Valorização física, emocional, psicológica, espiritual e financeira dos Educadores, com a falta de cuidados para com os aposentados, especialmente, na área de Educação, o Brasil corre um sério risco, de se tornar um País de incultos, ignorantes, violentos e alienados.

É preciso que o povo brasileiro receba um preparo e tenha condições para colocar filhos no Mundo e condições de educá-los, de
acolhê-los e de cuidá-los.

É preciso que as Políticas Públicas sejam responsáveis e oportunizem melhor Educação, Saúde e Segurança ao Povo Brasileiro.

Que nossas Fronteiras sejam protegidas das drogas e dos invasores oportunistas.

Que nossas riquezas e patrimônios sejam preservados, cuidados e mantidos.

Que as necessidades básicas do nosso povo sejam atendidas e respeitadas.

Que nossas crianças, jovens, adultos e idosos sejam respeitados e tenham dignidade, paz e tranquilidade para viver.

Que a corrupção, a mentira e a dissimulação sejam erradicadas do nosso País.

Que a Nossa Constituição seja respeitada.

Que a justiça do Nosso Pais seja justa realmente!

É nossa obrigação, enquanto Educadores, lutarmos por uma Educação de Qualidade para o Nosso País!

Abraços a todos.
Ansiosa por soluções, para a melhoria da Educação no Nosso País em prol das nossas Futuras Gerações,
Subscrevo-me
Atenciosamente

Valderez Caldas de Castro Mello
Supervisora Pedagógica Escolar
Santa Catarina

Diversidade e a Paz no Mundo

postado em 6 de jun de 2014 10:14 por Assers Digital   [ 6 de jun de 2014 10:58 atualizado‎(s)‎ ]

Por Valderez Caldas de Castro Mello  

Precisamos trabalhar com Música e em especial, com esta, a Diversidade do Nosso País e no Mundo.
A Diversidade no Mundo está abalada!
Celebrar, admirar, respeitar e dar dignidade a toda e qualquer Diversidade, porque elas são Infinitas...
Foi Deus, com seu Amor e Sabedoria que criou todas as coisas e toda a Diversidade.
Para que discutirmos a Diversidade, se ela está em todos os lugares, pelos quais passamos? 
Para atribuirmos juízo de Valores?
Quem somos nós, para contestarmos, as obras do Nosso Criador? 
Para Deus, tudo tem valor, porém os homens, ávidos de poder, de vontade de subjugar e de explorar, as diversidades, é que, arrogantemente e cheios de prepotência, acharam por bem, que pessoas de algumas raças ou cores, são inferiores e daí surgiu a necessidade, dos subjugados, desvalorizados, de se rebelarem e consequentemente, surgiram as questões das cotas, entre outras coisas mais.
Estes juízos de Valores, são, totalmente, injustificáveis e inaceitáveis.
Portanto, cada um de nós, deve viver a sua Diversidade com Dignidade e saber que somos únicos e que devemos deixar que os outros vivam a sua Diversidade em Paz e sem nenhum tipo de pressão, preconceito ou dominação. Este é o caminho para a Felicidade e a Paz no Mundo. Podemos chamar a isto de Viver Inteligentemente e com Amor, Respeito, Preservação e Sustentabilidade da obra do Nosso Criador.

Abraços a todos,

Valderez Caldas de Castro Mello
Supervisora Pedagógica Escolar

Vídeo do YouTube


1-5 of 5