Em Foco‎ > ‎Mural‎ > ‎Mural Arquivo‎ > ‎

Valorize o Piso do Magistério

postado em 4 de ago. de 2020 07:23 por Arquivo Assers
https://lh3.googleusercontent.com/pw/ACtC-3dRZKqcnL6RfT4tXxehDEVGdLnTLBauz3-TSn4YCdUJdgSFAH56JUQ1xbDPTg73nE7C1nYIaTlySSQhVnjEtT5fd9HXGkiVP1BQ3M86Ezeg0825ZcOnsnbExBaJ9iVKyhSxPYTXTkPRQw46DRo2BFRt=w1153-h966-no?authuser=0
Brasil e os piores salários para professores.

A última pesquisa da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), intitulada Education at a Glance, coloca o Brasil na última posição no ranking salarial do magistério entre as 40 nações e blocos regionais analisados. Em 2019, a média salarial do magistério na OCDE, em início de carreira, foi de US$ 34.943,00, enquanto na Europa foi de US$ 33.871,00, na Alemanha US$ 63.866,00 e em Luxemburgo US$ 79.551,00. No Brasil, nesse mesmo período, a média salarial anual de nossos professores foi de US$ 13.971,00.

Segundo Ariovaldo de Camargo, há uma pressão muito grande de estados e municípios para destruir a política do piso salarial nacional. Ele conta que, por outro lado, a luta da CUT, CNTE e sindicatos filiados conseguiu, na terça-feira (29), fazer com que a Câmara retirasse a votação da pauta desta quarta. Assim, o projeto deverá voltar para pauta nessa terça-feira, 04 de agosto.

“Os prefeitos e governadores certamente vão continuar fazendo pressão para que o PL seja votado, mas nós faremos pressão para que ele não seja aprovado e nem votado no Congresso”.

Ariovaldo alerta que os educadores têm que estar atentos à mobilização por este tema porque é “crucial para uma política de valorização profissional nos próximos anos”.
FONTE: CNTE

Comments