Em Foco‎ > ‎Mural‎ > ‎Mural Arquivo‎ > ‎

A resposta emocional à doença

postado em 4 de dez de 2016 13:24 por Evandro M
Assers
Artigo enviado pela Psicóloga
Rosângela Martins,
conveniada a ASSERS para atendimento aos associados.


    A resposta emocional à doença

A personalidade preexistente da pessoa é que determinara o efeito psicológico de uma doença.
Quando alguém é acometido por uma doença ou uma incapacidade física é normal à manifestação de certo grau de ansiedade e depressão, que aos poucos vai se adequando a uma preocupação mais proporcional ao grau de comprometimento.

Dependendo do estado de saúde da pessoa e da severidade do quadro, a resposta emocional depressiva pode ser mais profunda. Uma doença incapacitante ataca à imagem corporal, à autoestima e ao sentimento de identidade.
Em alguns casos um estado depressivo pode se manifestar de forma mais prolongada e levar a uma excessiva preocupação quanto à manifestação de outras doenças.
Alguns podem apresentar uma negação ao quadro patológico ficando ansiosos e inquietos desrespeitando as orientações medicas. Esta reação pode ser muito prejudicial uma vez que os cuidados necessários para amenizar a doença não são considerados.

Podem ainda desenvolver medos incapacitantes desencadeados por um alto grau de insegurança e instabilidade que a condição de doença causou. Podendo também apresentar sentimentos de despersonalização e temor de uma desorganização regressiva.

Para alguns o trauma da doença e a incapacidade, leva a pessoa a retirar seus interesses das relações com o mundo e a manterem centrados em si. A doença intensificará sua fixação narcísica. Esta reação acontece por que a pessoa doente procura desta forma proteger-se contra um mal maior. É uma reação defensiva, como se cercasse a doença.
A doença ganhará um significado simbólico particular que estará de acordo com a historia pregressa da pessoa, sua forma de ver e viver a vida. Para alguns a doença vem como um castigo, outros como perseguição, outros como uma prova etc.

De qualquer forma cada um terá que estabelecer uma nova organização emocional frente às modificações de vida que a doença causou. Sua relação consigo e com o mundo serão alteradas.

Dependendo do grau de incapacitação da doença, maior será o desafio. A resposta à doença e o tempo necessário de cada um, até que se estabeleça uma nova adaptação, será variável.

Aqueles que não se conectam com a vulnerabilidade da vida, não refletem sobre a condição frágil do ser humano, estarão menos preparados, pois estarão muito distante a realidade, as múltiplas condições a que estamos suscetíveis. Sua posição onipotente frente à vida será atacada pela realidade e a ferida emocional será maior.

Muitas vezes a pessoa precisará não só de tratamento para os problemas clínicos da doença, mas também para as alterações e comprometimentos dos aspectos emocionais desencadeados.

Indicação de Filme
Nome: Antes de Partir
Direção: Rob Reiner
Gênero: Comédia, drama
Ano: 2008    País: EUA


Leia outros texto no site: www.rosangelapsicologa.com.br
ou curta no face psicologiaclinicaportoalegre


Rosângela Martins
Psicóloga CRP 07/05917
Pós-Graduação: Especialização em Psicologia Clínica
Avaliação Psicológica e Atendimento Psicoterapêutico a Adolescente e Adulto
Consultório: Gen. Andrade Neves, 155/conj. 63.
Fone: (51) 3225-1171 / 8337- 4242
Comments