Em Foco‎ > ‎Mural‎ > ‎

Mural Arquivo

Presença da ASSERS no 2º Seminário Estadual sobre o novo Ensino Médio

postado em 21 de set de 2017 08:25 por Assers Digital

Seminário aponta novos rumos da educação no Estado 

Ocorreu dia 12 de setembro o 2º Seminário Estadual sobre o Novo Ensino Médio, no salão de atos da Universidade de Ijuí (Unijuí), região Noroeste do Estado.

A ASSERS esteve presente representada pela Profª Valdemira de Freitas Carpenedo. Também estava presente a Profª Norma Brigo, da 14ª CRE e 14ª CRASSERS.

O evento tratou sobre as mudanças (algumas definidas e outras em fase de estudo) para o sistema de ensino em todo o país.

Organizado pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), por meio da 36ª Coordenadoria Regional e Educação (CRE), o seminário reúniu alunos, professores e autoridades de ensino. Coordenador Geral do Ensino Médio do Ministério da Educação, Wisley João Pereira veio de Brasília para Ijuí especialmente para esclarecer alguns pontos sobre as mudanças estruturais a serem adotadas.Também participaram Iara Wortmann (Secretária Adjunta da Educação do RS), Sônia Rosa (Diretora do Departamento Pedagógico da SEDUCRS), Sônia Veríssimo (Membro do Conselho Estadual de Educação/RS).

Veja abaixo algumas imagens.
Mais informações com a cobertura do evento: http://www.educacao.rs.gov.br/seminario-estadual-sobre-o-ensino-medio-aponta-novos-rumos-da-educacao-no-estado







Nota de falecimento

postado em 1 de set de 2017 13:12 por Assers Digital   [ 1 de set de 2017 13:13 atualizado‎(s)‎ ]


LUTO  

A dor da perda é imensurável e nada que se possa dizer é capaz de amenizar o sofrimento.
O máximo que se pode fazer é oferecer o nosso silêncio de cumplicidade com a dor, dizer palavras de amizade e consolo, e dar o ombro amigo para apoiar o peso da perda de Pedrolina Pereira de Freitas, mãe de nossa colega Supervisora Escolar e membro da Diretoria da ASSERS Profª Valdemira Carpenedo.
 
Neste dia de tanta tristeza e consternação, oramos para que Deus dê forças para Valdemira, para lidar com este momento tão difícil, e sabedoria e coragem para seguir em frente.
 
A vida é o bem mais valioso que temos, e mesmo diante da morte precisamos nos manter firmes em honra e memória dos que se foram.
 
Que Deus ilumine a sua vida e conforte o seu coração.
Receba os nossos mais sinceros pêsames.

Assers

Regulamentação da profissão de supervisor educacional

postado em 28 de jul de 2017 13:09 por Assers Digital

Câmara dos Deputados
Comissão de Trabalho da Câmara aprova a regulamentação da profissão de supervisor educacional em instituições públicas e privadas de ensino. De acordo com o texto (PL 4106/12), cabe a esse profissional coordenar e contribuir nas atividades de planejamento, execução, controle e avaliação de projeto político-pedagógico da instituição, juntamente com a direção e professores. Entre as atribuições do supervisor educacional, estão a orientação e o acompanhamento dos professores no planejamento e desenvolvimento dos conteúdos; a supervisão do cumprimento dos dias letivos e horas/aula estabelecidos em lei; e a sondagem dos interesses, aptidões e habilidades do aluno. A relatora da proposta, deputada Flávia Morais, do PDT goiano, fez apenas uma mudança na proposta original. Ela retirou do texto a previsão de os servidores se organizarem em entidades de classe porque a Constituição já garante esse direito. O autor do projeto de lei, deputado Ademir Camilo, do PTN mineiro, não viu problemas na alteração.

"Em tese, não alterou a substância do projeto, que era a de reconhecer efetivamente o supervisor educacional, que é aquele que tem diploma de curso superior em pedagogia ou em nível de pós-graduação para que se aumente a qualidade. Acho que pensar em educação é pensar na valorização e na qualificação. Isso dá status e reconhece a importância da atividade".

A proposta também prevê que os diplomas expedidos no exterior deverão ser revalidados por universidades públicas brasileiras, conforme determina a Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Supervisora pedagógica em escola de Brasília, Amanda Vasconcelos elogia a proposta e cobra a efetiva presença desses profissionais nas instituições de ensino.

"Essa regulamentação é muito interessante, até porque exige a ideia da formação continuada do profissional. Porém, como toda regulamentação, a gente só precisa tomar cuidado para ver se abrem concurso para essa área, porque muitas escolas, por exemplo, não têm orientação educacional porque não teve concurso para essa área. O supervisor pedagógico é de extrema importância e seria importante a presença dele em todas as escolas".

O texto em análise na Câmara usa a expressão "supervisor educacional" como sinônimo de supervisor escolar e supervisor pedagógico. A proposta está agora na Comissão de Constituição e Justiça.

Comissão aprova regulamentação da profissão de pedagogo

postado em 26 de jul de 2017 16:21 por Assers Digital   [ 26 de jul de 2017 16:24 atualizado‎(s)‎ ]

Câmara dos Deputados
A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público aprovou o Projeto de Lei 6847/17, do deputado Goulart (PSD-SP), que regulamenta a profissão de pedagogo.

Pelo texto, a profissão será privativa de portadores de diploma de curso de graduação em Pedagogia, para exercerem a docência, bem como atividades nas quais sejam exigidos conhecimentos pedagógicos.

De acordo com a proposta, são atribuições do pedagogo:
- planejar, implementar e avaliar programas e projetos educativos em diferentes espaços organizacionais;
- gerir o trabalho pedagógico e a prática educativa em espaços escolares e não escolares; - avaliar e implementar nas instituições de ensino as políticas públicas criadas pelo Poder Executivo;
- elaborar, planejar, administrar, coordenar, acompanhar, inspecionar, supervisionar e orientar os processos educacionais;
- ministrar as disciplinas pedagógicas e afins nos cursos de formação de professores;
- realizar o recrutamento e a seleção nos programas de treinamento em instituições de natureza educacional e não educacional;
- desenvolver tecnologias educacionais nas diversas áreas do conhecimento.

Relatora, deputada Flávia Morais (PDT-GO)
Critérios
O parecer da relatora, deputada Flávia Morais (PDT-GO), foi favorável à proposta. “Diferentemente de outros projetos de regulamentação profissional, esta proposta não visa a criar uma reserva de mercado para os profissionais”, disse. “O objetivo da proposição é estabelecer critérios para o âmbito de atuação desses profissionais relativamente à sua formação e às suas atribuições”, completou.

Para a parlamentar, justifica-se a regulamentação “porque a atividade exige conhecimentos teóricos e técnicos, é exercida por profissionais de curso reconhecido pelo Ministério da Educação e o mau exercício da profissão pode trazer riscos de dano social no tocante à educação”.


Conselho
O projeto determina que o Poder Executivo deverá criar o Conselho Federal de Pedagogia para fiscalizar a profissão. Esse órgão, bem como os conselhos regionais, será responsável por regular sobre jornada, piso salarial, atribuições, direitos e deveres dos profissionais.
“Sendo aprovado este projeto, o presidente da República deverá enviar ao Congresso Nacional projeto de lei criando os conselhos, como exige a Constituição Federal, na medida em que tais entidades são consideradas autarquias especiais integrantes da administração pública”, destacou Flávia Morais.” Essa providência é fundamental para que o exercício da profissão do pedagogo seja devidamente regulamentado e fiscalizado”, completou.

Tramitação
A proposta será analisada, em caráter conclusivo, pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Reproduzido de

Agência Câmara Notícias
Reportagem - Carol Siqueira
Edição - Marcia Becker
Foto -
Lúcio Bernardo Junior
Matéria original com link para a íntegra da proposta:

Seminário Estadual de Orientação Educacional

postado em 12 de jul de 2017 09:26 por Assers Digital   [ 12 de jul de 2017 09:27 atualizado‎(s)‎ ]

Evento promovido pela AOERGS com o tema
'Orientação Educacional: Educação, Direitos e Justiça - Trajetórias para a Humanização'.

XXV Seminário Estadual de Orientação Educacional
VI Congresso Brasileiro de Profissionais de Educação


13 a 15 de setembro de 2017
Auditório do Palácio da Justiça, Porto Alegre, RS.


Evento AOERGS

Convite aos associados da ASSERS para participar de eventos do Dia das Mães

postado em 9 de mai de 2017 11:08 por Assers Digital   [ 9 de mai de 2017 11:11 atualizado‎(s)‎ ]

A Uninter convida os associados da ASSERS para participar dos eventos do Dia das Mães, no dia 12 de maio de 2017, na Rua Jerônimo Coelho, n° 394, Centro de Porto Alegre. Haverá oficinas, palestras e workshops.

Abaixo os convites contendo a programação do dia.

Solicitamos que o interessado envie seu nome, telefone e eventos que deseja participar para o e-mail debora@ceducs.com.br.

Dias das Mães 2

Dia das Mães 1

Carta aberta do FESED em oposição à Reforma da Previdência

postado em 10 de fev de 2017 12:07 por Assers Digital

Carta aberta do FESED - Fórum das Entidades Representativas dos Especialistas de Educação, em oposição à Reforma da Previdência - PEC 287/2016 (leia abaixo ou veja a carta clicando na imagem ao lado).

Carta-AbertaFESED-ReformaPrevidencia
O FESED, composto pelas Entidades abaixo relacionadas, tendo em vista o envio pelo Governo Federal da PEC 287/2016, que trata da Reforma da Previdência Social, manifesta sua posição sobre o tema:

- Não aceita que se jogue sobre os ombros da classe trabalhadora o ônus de cobrir eventuais problemas de fluxo de caixa causados por má gestão ou corrupção de governantes e/ou dirigentes de empresas públicas;

- Não concorda com a existência de um suposto “rombo” nos Sistemas de Previdência Social, pois estudos que desconsideram despesas assistenciais e contemplam todos os mecanismos de financiamento previstos na Constituição Federal demonstram, sem sombra de dúvida, que os sistemas são superavitários;

- Não se curva a nenhuma tentativa de retirar ou restringir direitos históricos dos trabalhadores;

- Não admite, em hipótese alguma, o fim da Aposentadoria Especial do Magistério;

- Exige a retirada da obrigatoriedade de trabalho até os 65 anos, idade que supera, inclusive, a expectativa de vida em inúmeras regiões do país;

- Repudia a equiparação de idade entre mulheres e homens, pois essa medida desconsidera as múltiplas jornadas desempenhadas pelas mulheres na sociedade de hoje;

- Luta contra o fim da integralidade dos proventos, através da limitação ao teto do INSS;

- Batalha pela manutenção da paridade histórica entre ativos e aposentados no Serviço Público;

- Considera absurda a proposta de 49 anos de contribuição para obtenção de proventos no valor do teto do INSS, que levaria a concessão de aposentadorias integrais apenas acima da expectativa média de vida no país;

- Classifica como desprovida de qualquer fundamento lógico ou científico a definição de 45 ou 50 anos como limite de idade para mulheres e homens fazerem jus ao regime de transição;

- Em razão dos motivos acima expostos, as Entidades abaixo arroladas consideram a PEC 287/2016 uma proposta injusta que ameaça diretamente direitos históricos dos trabalhadores, em geral, e dos Profissionais de Educação, em particular, e se posicionam contrárias à sua aprovação, declarando-se em alerta total e mobilização articulada em todas as instâncias onde possam contribuir para barrar a reforma.

ESTAMOS TODOS EM LUTA ABERTA CONTRA A PEC 287/2016!
FESED
Fesed- Entidades

Novo convênio para associados

postado em 27 de jan de 2017 05:32 por Assers Digital   [ 27 de jan de 2017 05:44 atualizado‎(s)‎ ]

Consultório de Psicologia – Psicóloga Flórence Diedrich. Especialista em Psicologia Clínica e Terapia de Casal.
Desconto de 30% para conveniados ASSERS.
Rua Açores 57, Sala 201 - Passo D ́areia - Porto Alegre - Tel 98553-8804.
www.psicologaflorence.com.br

 
Psicologa-Florence-Diedrich

A Síndrome do Pequeno Poder

postado em 11 de jan de 2017 11:19 por Assers Digital

Assers
Artigo enviado pela Psicóloga
Rosângela Martins,
conveniada a ASSERS para atendimento aos associados.


A Síndrome do Pequeno Poder

A palavra poder se origina do latim "possum" cujo significado é “ser capaz de”.
O poder é essencial ao ser humano. Através do poder, do sentimento de capacidade, que a vida evolui.
É bem-vindo o poder do homem de vencer obstáculos, criar, buscar novos conhecimentos e usá-lo para evolução.
Através do poder humano que podemos fazer um mundo melhor.
O problema do poder é na verdade outro. Ele reside na forma como é utilizado.
A potencialidade humana pode ser usada para a construção ou para o desmoronamento.
O que vai determinar a forma como o poder será usado é o caráter da pessoa.
Muitos homens de poder podem usar seus recursos para a ciência, para inovação, se tornando trabalhadores competentes, contribuindo muito para a sociedade.
Porém, quando o caráter da pessoa apresenta problemas, ou seja, não é saudável, o uso do poder acaba tomando o rumo muito mais da satisfação individual do que do bem coletivo.
Especificamente desejo falar sobre a Síndrome do Pequeno Poder ou ainda chamada de Síndrome do Porteiro que caracteriza-se pelo uso impróprio de um poder. Este poder neste caso é usado de forma abusiva, imperativa desconsiderando o contexto e os transtornos que isto ocasiona ao bom funcionamento de uma engrenagem. Baseia-se em processos de domínio e exploração nas relações interpessoais.
Este comportamento pode surgir em diferentes campos: social, política, cultural, econômica etc.
Pode ser gerador de problemas sérios nas relações entre homens e mulheres, entre pais e filhos e nas organizações de trabalho.
Por exemplo, a cozinheira que retém o alimento, por que se sente dona da cozinha, sem considerar a necessidade de uma situação.
O segurança que complica o acesso de algumas pessoas em um prédio a fim de mostrar como sua função é importante.
O excesso de poder dos pais sobre os filhos. Do homem com a mulher ou vice versa.
A funcionária da limpeza que determina de acordo com seu interesse a ordem com que vai realizar seu trabalho, sem considerar a organização das tarefas de um escritório.
Estas pessoas tem uma visão focada e restrita da situação. Entendem que desta forma estão se desempenhando bem, mas por traz disto estão muitos outros interesses latentes.
Atrás da síndrome do pequeno poder existe uma pessoa que apresenta normalmente uma baixa autoestima que tenta ser compensada. Exerce sua função de forma imperativa, como se desta forma pudesse mostrar aos outros e a si que é capaz.
Existe também uma dificuldade de reconhecimento dos limites. Seu desejo impera sobre o desejo do outro de forma mascarada, quero dizer, tentando ser justificada pelo desempenho de uma função.
Há uma dificuldade quanto à percepção do outro e do meio.
Questões de vaidade também estão presentes. Há um desejo que sua posição seja reconhecida, muito mais sobre uma aparência do que verdadeiramente baseada na eficiência.
As pessoas que são afetadas pela síndrome do pequeno poder são muito prejudicadas uma vez que esta postura atrapalha a evolução saudável de um processo.
A competitividade pode também estar em jogo nestes casos. Como um funcionário que quer mostrar que seu trabalho é mais importante que outro retendo privilégios.
O bom desempenho de um poder seja ele qual for esta calcada no conhecimento e na capacidade de exercê-lo considerando o contexto..
Vale lembrar a diferença entre autoritarismo e autoridade.
O autoritarismo privilegia o poder sobre o outro a fim de impor e dominar.
A autoridade tem quem tem a razão e o conhecimento e por si só reconhece e respeita as leis que lhe circundam.

Leia outros texto no site: www.rosangelapsicologa.com.br


Rosângela Martins
Psicóloga CRP 07/05917
Pós-Graduação: Especialização em Psicologia Clínica
Avaliação Psicológica e Atendimento Psicoterapêutico a Adolescente e Adulto
Consultório: Gen. Andrade Neves, 155/conj. 63.
Fone: (51) 3225-1171 / 8337- 4242

Nota de falecimento

postado em 10 de jan de 2017 11:29 por Assers Digital   [ 10 de jan de 2017 11:30 atualizado‎(s)‎ ]

Informamos com pesar o falecimento da associada Edia Milbradt Rosa em 26 de dezembro de 2016.

Nos solidarizamos à família!

Assers

1-10 of 247